A mão do futuro

Por Ian Chant e Jessica Schmeramao_do_futuro

Nos próximos anos será possível dispor de próteses mais inteligentes, que ofereçam a sensação do tato e permitam até mesmo distinguir texturas e aplacar a dor do membro fantasma.

As próteses modernas proporcionam a pessoas que sofreram amputações ou nasceram com deficiência uma grande variedade de funções motoras, mas não são capazes de restituir aos pacientes a sensação de tato. Trabalhando em parceria, pesquisadores no Instituto Federal Suíço de Tecnologia em Lausanne e a Faculdade Sant’Anna de Estudos Avançados em Pisa desenvolveram uma ponta de dedo biônica que permitiu a um amputado distinguir texturas macias e ásperas com uma precisão de 96%. A ponta do dedo é equipada com um sensor elétrico coberto por um polímero, que traduz a aspereza da superfície em pulsos de corrente transmitidos a um nervo no braço. A configuração pode até aliviar a dor do “membro fantasma”, um problema comum entre pessoas que perderam um membro, mas ainda sentem dores como se aquela parte do corpo estivesse ali. Mãos fantasmas costumam ser percebidas como constantemente cerradas e doloridas, porém, pacientes que participaram desse experimento como voluntários relataram que a sensação era de que a mão estivesse sentindo a superfície, de forma relaxada, em vez de permanecer fechada.

Veja a matéria completa. na Revista Mente cérebro, outubro/ 2016.

Fonte: CHANT, Ian; SCHMERLER, Jessica. A mão do futuro. Mente cérebro, São Paulo, n. 285, p. 52-53, out. 2016. Tecnologia.